QUE ES "ESCUELA DE VIDA"
escuela de vida  
  MANUAL DE ENTRENAMIENTO AUTÓGENO
  ANGELES
  HOME
  CIENCIA Y ESPIRITUALIDAD
  LA BIBLIA EN VERSOS POR PePe ARIAS
  ESCUELA DE VIDA
  JOSÉ DE ARIAS MARTÍNEZ (PEPE ARIAS)
  MEJORES RESPUESTAS DE PePe EN YR I
  PINTURA
  REFLEXIONES SOBRE LA VIDA
  B-POEMAS PEPE ARIAS (José de Arias Martínez)
  POEMAS DE ROSEANA MURRAY
  ENTRENAMIENTO AUTÓGENO
  ARTICULOS
  CURSO "ONLINE" DE AUTO-HIPNOSIS
  C-POEMAS PEPE ARIAS (José de Arias Martínez)
  CATEDRALES
  EFT
  REIKI
  INCREIBLES IMÁGENES
  NIÑOS ÍNDIGO Y CRISTAL
  MENSAJES CORTOS PARA CADA DÍA
  NOVELAS DE PePe Arias (José de Arias Martínez)
  A-POEMAS DE PEPE ARIAS (José de Arias Martínez)
  EL MUNDO DE LA FLOR
  EL SECRETO
  MANDALAS
  POEMAS CORTOS DE PEPE ARIAS (José de Arias Martínez)
  D-POEMAS DE PEPE ARIAS (José de Arias Martínez)
  E-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  I-MENSAJES DE ÉXITO
  II-MENSAJES DE ÉXITO
  SELECCIÓN DE POEMAS DE PEPE ARIAS (José de Arias Martínez)
  I-MANUAL DE UN TROVADOR (Parte I y II)
  II-MANUAL DE UN TROVADOR (Parte III y IV)
  500 Y UN TANGO 1 DE PEPE ARIAS (JOSÉ DE ARIAS MARTÍNEZ
  500 Y UN TANGO 2 DE JOSÉ DE ARIAS MARTÍNEZ
  500 Y UN TANGO 3 DE JOSÉ DE ARIAS MARTÍNEZ
  F-POEMAS PEPE ARIAS (José de Arias Martínez)
  G-POEMAS PEPE ARIAS José de Arias Martínez)
  H-POEMAS PEPE ARIAS (José de Arias Martínez)
  I-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  J-POEMAS PEPE ARIAS (José de Arias Martínez)
  K-POEMAS PEPE ARIAS (José de Arias Martínez)
  L-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  M-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  N-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  O-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  P-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  Q-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  R-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martinez)
  S-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  T-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  U-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  V-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  W-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  X-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  Y-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  Z-POEMAS PePe ARIAS (José de Arias Martínez))
  SONETOS PePe ARIAS (José de Arias Martínez)
  POEMAS DEL CIELO de PePe Arias (José de Arias Martínez)
  PUESTAS DE SOL
  PROYECTO ESPERANZA
  AGUA DE MAR
  NUEVA MEDICINA GERMÁNICA
  EL CÁNCER DESDE LA PERSPECTIVA DE LA NUEVA MEDICINA
  CURSOS Y TALLERES
  ENTREVISTA A JOSÉ DE ARIAS MARTÍNEZ
  FOTOSÍNTESIS HUMANA*ENERGÍA LIBRE
  EPIGENÉTICA
CIENCIA Y ESPIRITUALIDAD

                    

                                                                             

                                          



                               EL UNIVERSO AUTOCONSCIENTE


Este es un resumen del famoso libro del físico cuántico indiano Amit Goswami,  "El Universo Autoconsciente", en un esfuerzo por unir ciencia y espiritualidad.

---------------------------------------------------


La consciencia como constitutivo de todas las cosas.

Primacía de la ciencia sobre la materia.

La conciencia crea el mundo físico.

Yo y la silla que me siento surgimos de la misma consciencia.
Nada, excepto la conciencia, tienen que ser experimentadas, a fin de ser realmente comprendidas.
Nuestra fe en los componentes espirituales de la vida están siendo atacados por el materialismo científico.
Por una parte nos beneficiamos de las conquistass del capitalismo y del materialismo científico. Por otra no tenemos una respuesta sobre el significado de la vida.
Debe haber algo que una ciencia y religión, que integre mente y espiritu en la ciencia.. Eso puede ser la idea de que la conciencia y no la materia es el substrato de todo cuanto existe.

Explicaremos el idealismo monista.
La física cuántica dice que los objetos son representados por ondas. Objetos son ondas. Y las ondas pueden estar en dos o más lugares a la vez. Pero cuando observamos un objeto cuántico, nosotros lo encontramos en un mismo lugar.. Parece ser que nuestras observaciones, por lo tanto nosotros, producen un efecto profundo sobre objetos cuánticos. La mente tiene poder sobre la materia.
La física actual no funciona cuando se trata de objetos cuánticos.

No estamos separados del mundo, somos el mundo. Por lo tanto tenemos una responsabilidad.
En la duda, los científicos fingen ignorancia, o dicen que la consciencia pertenece a la psicología.
La consciencia afecta causalmente los átomos.

Preguntemos a los psicólogos. 
Ellos comparan el cerebro con el computador y admiten que todo está hecho de átomos.
Si admitieran la definición de los físicos sobre la conciencia, todo funcionaría mejor.. De lo contrario, el cerebro, como el computador, no necesita de una conciencia o unidad central.
Los abjetos cuánticos son ondas que surgen y se esparcen  por más de un lugar y la conciencia podría ser la agencia que focaliza las ondas, de tal modo que podemos observarlas en un único lugar.
Todas las cosas están hechas de consciencia, no de átomos. Los psicólogos dicen que eso no es científico. La conciencia no puede ser realidad primaria.

Veamos qué dicen los neurofisiologistas (científicos del cerebro).
La conciencia-dicen-es una entidad causal pero emergente del cerebro, no separada de él, porque todo está hecho de materia..
La física cuántica es para los átomos no a nivel del cerebro. 
La conciencia afecta a la onda cuántica.
Si todos comprendiéramos que la consciencia y no la materia es la que nos une a otros y al mundo;  las opiniones sobre la guera y la paz, polución ambiental, justicia social, valores religiosos y todas las actividades humanas, cambiarían radicalmente.
Los neurofisiologistas admiten la consciencia como un fenómeno secundario(epifenómeno), que todos estamos compuestos de átomos.
Todos consideran el mundo y las cosas hechas de átomos y la conciencia como un epifenómeno de danza de átomos.
La física cuántica dio origen a tecnologías de gran utilidad: transistores, lasers, supercondictores.....


                                   PROPIEDADES CUÁNTICAS

1-Un objeto cuántico(ej: un electrón) puede estar en el mismo instante, en más de un lugar(la propiedad de onda).

2-No podemos decir que un objeto cuántico se manifiesta en la realidad común espacio-tiempo hasta que lo obsevamos como una partícula(el colapso de onda).

3-Un objeto cuántico deja de existri aqui y simultáneamente pasa a existir allí, y no podemos decir que él pasó a través del espacio intermedio(salto cuántico).

4-La manisfestación de un objeto cuántico, ocasionada por nuestra observación, influencia simultaneamente su objeto-gemelo correlativo, importando poco la distancia que los separa(acción cuántica a distancia).

Hoy priva el realismo materialista. Todo está compuesto de átomos o partículas sub-atómicas. Lo demás son efectos secundarios de nosotros y de nuestra observación. Muchos físicos desconfían del realismo materialista y creen que hay una alternativa: el idealismo monista.
Existe una conciencia causalmente potente
La mente consciente construye.
René Descartes dividió la realidad en dos reinos separados: mente y materia.

En vez de postular que todo (incluida la consciencia) está constituida de materia, postulamos que todo(incluyendo la materia) existe en la consciencia y es manipulado por ella.. No decimos que la materia no es real, sino que la realidad de la materia es secundaria a la de la consciencia. Esto nos hace comprender todo nuestro self, en armonía con las tradiciones milenarias.
El realismo materialista postula un universo sin significado espiritual.
Hay un componente espiritual de la realidad.
En la filosofía idealista monista las experiencias espirituales son de gra importancia.
Somo exiliados en una tierra extraña.

"Conócete a tí mismo", decían los antiguos. Sabían que nuestro self se organiza a sí mismo. La consciencia tiene poder organizativo. Sólo un filósofo materialsta destruye la tierra, crea polución, mata personas, construye bombas nucleares.
Porqué estamos amenazados nuclearmente?
Por qué los conflictos se resuelven bélicamente?
Por qué hay hambre en el mundo, si un sólo país como Brasil o USA, pueden abastecer el mundo?
Qué visión(materialista-reduccionista-separatista) tenemos del mundo que nos separa así de nuestrso semejantes?
Con la física cuántica tendremos una visisón integrada de la realidad(compartimos los genes semejantes, mente semejante, espíritu semejante).

Ondas cuánticas son ondas de probabilidades.
EN ADELANTE DIOS SERÁ OBJETO DE CIENCIA Y NO MÁS DE RELIGIÓN.
Si la verdadera realidad es material(realidad materialista), lo que importa es tener, poseer cosas materiales. Si la verdadera realidad es espiritual, una vez satisfechas las realidades básicas materiales, nos importaría primordialmente lo espiritual, lo trancendente.
El arte, la literatura, las religiones, nos prueban esto último. No hay crisis de fe sino de confusión y percepción.
Llegamos a esta crisis al admitir el materialismo como la única visión científica del mundo.
Cierta vez un señor fue a comprar un barómetro a una tienda de antigüedades. Preguntó al dueño sobre su funcionamento. Este que no sabía gran cosa de cómo funcionaba le contestó: "bueno, lo coloca usted fuera y si se moja es que está lloviendo". -"Pero eso, -le contestó el inquilo- puedo hacerlo colocando mi mano." -"Sí, es verdad, -replicó el dueño-. Pero eso no sería científico."

Descartes dividió el mundo en materia(para los científicos) y en mente (para los psicólos y la religión). Así creó el dualismo materialista. Tomó de Aristóteles la idea de objetividad(objetos separados de la mente). El mundo un mecano(determinismo causal.)


                                   REALISMO MATERIALISTA


1-objetividad fuerte
2-determinismo causal
3-localidad
4-monismo físico, o materialista


Esta filosofía se conoce como "Realismo Científico", lo que implica que el realismo materialista es esencial a la ciencia. Esto excluye los fenómenos subjetivos.
La mente humana es no-local y creativa. Un cerebro de silicio no puede crear ni actuar de forma no-local(Al menos por lo que sabemos hasta ahora).
No podemos conocer a alguien sin compartir una concexión no-local con esa pesona.
La connexión humana es espiritual y un computador no puede ser espiritual.
Cómo es que los cuerpos calientes emiten radiación? No lo puede responder la física convencional y mecanicista. Ellos pensaban que una vez conocidas todas las causas, tendrían el mecano completo del universo. No necesitaríamos de la hipótesis de Dios(Como respondió el matemático Laplace a Napoleón).
Cuando es vista como onda, la luz parece capaz de estar en dos o más lugares al mismo tiempo. Cuando es vista en una película se presenta como un haz de partículas. La luz, por tanto, tiene que ser simultáneamente onda y partícula.
Será que la naturaleza de la luz-lo que la luz es-depende de la manera cómo la observamos?
Puede un objeto material, como un electrón, por ejemplo, ser simultáneamente onda y partícula? Sí.
La materia es tan dual como la luz.
La trayectoria del electrón sólo aparece cuando la observamos. Cuando lo medimos, encontramos el electrón localizado, como partícula.
En cada momento, en cada decisión, hay nuevas posibilidades. El mundo no está determnado por condiciones iniciales de una vez para siempre. Todo evento de medición es potencialmente creativo y puedes desvelar nuevas posibilidades.
Los electrones no son ni ondas ni partículas(ondículas). Es el principio de complementaridad de Bohr.
Podemos ver la naturaleza como formas separadas-como ondas o particulas), o descubrir complementaridad: la idea de que ondas o partículas son inherentemente la misma cosa.
Heisemberg descubrió el principio de incerteza. Toda probabilidad crea incerteza. No podemos simultáneamente determinar con certeza, la posición y la velocidad (momentum) de un electrón.





              SUPOSICIONES DEL REALISMO MATERIAL



1-OBJETIVIDAD FUERTE.- Sin separar objeto y sujeto no hay ciencia. Con la física cuántica es que elegimos qué aspecto-onda o partícula-tendrá un objeto cuántico en una determinada situación. La observación hace que entre en colapso todo el conjunto cuántico de ondas y se transforme en una partícula localizada.
Sujeto y objeto se entrelazan. Dónde está la objetividad fuerte?

2-DETERMINISMO CAUSAL.- Dice que el mundo es fundamentalmente determinista, que todo lo que necesitamos conocer son las fuerzas que actuan sobre cada objeto y las condiciones iniciales(la velocidad y la posición inicial del objeto).

Esto es rebatido por el principio de incerteza de Heisemberg que dice que no podemos determinar con certeza la velocidad y la posición de un objeto. El comportamiento de los objetos cuánticos es probabilístico.

3-LOCALIDAD.- Al existir los objetos separados unos de otros, las interacciones entre objetos materiales son hechos a través de señales locales. Cuánticamente las ondas actuan de una forma no-local.

4-MATERIALISMO Y EPIFENOMENISMO.- El materialismo afirma que fenómenos mentales subjetivos son epifenómenos de la materia. Cómo puede la conciencia provocar el colapso de una onda y transformarla en una partícula localizada cuando realizamos una medición cuántica si todo dependiera del cerebro?

 El idealismo monístico es la base de casi todas las religiones, y dice que lo fundamental es la conciencia y no la materia en la concepción de la realidad.Tanto el mundo material como el mental son creados por la conciencia. La conciencia es la realidad única y final. Platón con su alegoría de la Caverna en la "República" define el idealismo monístico. Seres sentados contra una pared en la que se proyectan sombras. Esa es la realidad para el hombre. La luz proyecta la sombra de los que es la realidad. La luz es la única realidad. Para nosotros la consciencia es la única realidad. Es también Brahman en la literatura vedanta de la India. En el budismo es Dharmakaya. En China Tao. La conciencia es unitiva. Existe una cosa, pienso en ella y está la persona que es consciente y piensa y es consciente de que piensa.

Unidad en la diversidad. Todos es uno. Mi ser es Dios por una transformación auténtica.
La  causa de toda enfermedad es vivir separados.
El induismos es la única religión que no se basa en las enseñanzas de un profeta.
Cuando no miro a la luna no está más allí.
No hay objeto en el espacio-tiempo sin un sujeto consciente observando.
A nivel cuántico la visión del mundo es monista.
La conciencia es el medio que produce el colapso de onda de un objeto cuántico, que existe en potencia, convirtiendo una partícula inmanente en el mundo de la manifestación.
Esta es la metafísica idealista básica.
El nombre técnico de la acción a distancia, sin señal, es no-localidad.
Una vez aceptemos la no-localidad cuántica como un aspecto físico comprovado del mundo en que vivimos, se hace más fácil concebir en la ciencia un dominio transcendente situado fuera del dominio físico manifiesto, del espacio-tiempo.
El mensaje de la no-localidad cuántica es de que el proceso fundamental de la naturaleza reside fuera del espacio-tiempo, pero genera eventos que pueden ser localizados en ese espacio-tiempo.
La nueva ciencia integra espiritu y materia.
La consciencia provoca el colapso de onda cuántica.



                 DOGMAS DEL REALISMO MATERIALISTA

1-determinismo causal

2-localidad

3-objetividad fuerte

4-epifenomenismo



                                MECÁNICA CUÁNTICA

1-Probabilidad

2-incerteza

3-complememtaridad(onda-partícula)

4-no-localidad

5-sujeto y objeto entrelazados


Cada vez que miramos, vemos una partícula localizada.
El aspecto de onda de una ondícula no podemos verlo.
Ondas de electrones son ondas de probabilidades.
Estamos inescapablemente envueltos en hacer que suceda aquello que parece estar sucediendo.
Ningún foton se manifiesta hasta que lo vemos y por lo tanto, la manera cómo lo vemos determina sus atributos.
El colapso de onda cuántica es no-local.
Las mediciones cuánticas introducen nuestra consciencia en la arena del denominado mundo subjetivo.
Ni la bandera ni el viento se mueven. Es nuestra mente(consciencia) que se está moviendo.
La consciencia es una entida independiente, causal. La observación resuelve el caso del gato de Schrödinger.
Todo llega al mundo de lo manifiesto por la observación.
La conciencia es parte de nuestra ciencia.
La conciencia es decisiva para moldear el mundo físico. Es única, no individual, de lo contrario cada uno vería el semáforo de una forma diferente; eso ocurre solo en la conciencia dual.
Sabemos que la obsevación por un observador consciente acaba co la dicotomia. Debe ser obvio, por tanto, que la consciencia debe funcionar fuera del mundo material. Debe ser transcendente, no-local.
No puede haber experiencia de un objeto material sin un concomitante objeto mental. Tengo que tener el pensamiento de que veo ese objeto o al menos de que tengo una percepción de su existencia. Conciencia con percepción produce el colapso de onda en partícula. Consciencia sin percepción es inconsciencia.
El poder de elegir define la autoconsciencia.
La cuestión fundamental de la autoconsciencia(consciencia de la conciencia) es elegir o no elegir.

En el inconsciente hay conciencia pero no percepción.

La consciencia siempre está presente; es el fundamento del ser.

NUESTRO CONSCIENTE ES INCONSCIENTE DE LA MAYORÍA DE LAS COSAS.

NUESTRO INCONSCIENTE ES CONSCIENTE DE TODO DURANTE TODO EL TIEMPO.

Nuestro self consciente está inconsciente  de nuestro inconsciente.
Percepción inconsciente es percibir sin estar conscientes.

Percepción y concsiencia no son lo mismo. Hay percepciones inconscientes. En la teoría cuántica el sujeto que elige es un sujeto único, universal y no nuestro ego personal. La conciencia que elije es no-local.

La no-dualidad se probó científicamente en el año 1982 por Alain Aspect y su equipo. 

No podemos proyectar la trayectoria de un objeto cuántico. Einstein decía que detrás de los electrones debía haber algo causal y quería desmitificar la mecánica cuántica. Decía que esta implicaba un Dios jugador y Dios no juega a dados. Quería restablecer el orden determinista del mundo. Bohr le dijo a Einstein: "No le diga a Dios lo que tiene que hacer". La localidad es el principio que dice que todas las interacciones son medidas por señales transmitidas a traves del espacio-tiempo.. La relatividad con su límite de la velocidad de la luz para todas las velocidades de señal, prohibe la interacción instantánea a distancia, o no-localidad. Hay inseparabilidad entre los objetos cuánticos. Sólo después del colapcos hay separatibilidad, obejtos separados e indepedientes. Los objetos cuánticos sobrepasan la velocidad de la luz y existen en potencia. Un electrón tiene dos parámetros de valor denominados spin. Carl Jung acuñó la palabra "sincronicidad", que son coincidencias que suceden sin una causa, a no ser una causa común en el dominio transcendente(no-local). La psique no puede ser localizada en el tiempo.

Jung dice: una vez que psique y materia están contenidos en un único y mismo mundo, y además de eso están en contacto recíproco continuo, y en último análisis, responde sobre factores irrepresentables, transcendentes; no sólo es posible, sino altamente prováble que psique y materia sean dos aspectos diferentes de una única y misma cosa(mentecuerpo). El inconsciente colectivo de Jung es no-local. Todos los eventos sincrónicos ocurren en el dominio transcendente de la conciencia. Nuestra consciencia no-local produce el colapso de la onda de un objeto cuántico y elije el resultado del colapso cuando lo observamos, pero habitualmene se nos escapan la no-localidad y la elección.

Cuanto más comprensible nos parece el universo, más nos parece sin sentido(Steven Weinberg, premio nóvel física) Para el materialista los conceptos de conciencia no-local o colapso no-local vuelven el universo incomprensible. Para el idealista lo vuelven más expresivo.
Nuestra mente es cuántica. La intuición es un colapso cuántico no-local. El tiempo también puede ser no-local. Somos el centro del universo porque somos su sinificado, somos autoconscientes. Esto no significa que existan miles de mundos con seres inteligentes. Nadie vio aún un cuadro en una galería de arte. Lo que vemos siempre es un cuadro en nuestra cabeza. Con la ciencia idealista no excluimos lo subjetivo, ni lo espiritual. La verdadera ciencia es abierta y no excluye nada. La ciencia realista excluye lo transcendente y subjetivo. El cisma dualístico mente y cuerpo de Descartes. La ciencia moderna puede resolver ese dualismo y crear el mentecuerpo.

MONISTA MATERIALISTA:- el cuerpo es fundamental. Mente y conciencia son epifenómenos.

MONISTA IDEALISTA:-La conciencia es fundamental. Mente y cuerpo son epifenómenos.

En occidente priva el monismo materialista. En oriente el monismo idealista. La capacidad cuántica le viene de su naturaleza de onda. Así como existen neutrones, electrones, positrones, gravitones; también podemos hablar de psicons y mentons, serían arquetipos mentales. Estos son universales, son independientes de raza, historia, geografía....Son conglomerados de "quantos universales", son estados mentales puros.

La conciencia elige el resultado del colapso en todo y cualquier sistema cuántico. Una vez que ese resultado es una experiencia consciente, elegimos nuestras experiencias conscientes, aún cuando permanezcamos inconscientes del proceso subyacente. Es esa consciencia que lleva a la separatividad ilusoria. (el "ego" contra el "yo"de la conciencia unitiva."

Un univeso autoconciente es un universo que tiene consciencia de su propia consciencia que deriva de una jerarquia entrelazada. Es la imagen arquetipica de la serpiente que se muerde su propia cola. El universo es autoconsciente a través nuestro. Para ser exactos, nuestra consciencia, es e último análisis, unitiva y se encuebtra en el nivel transcendente, que ahora reconocemos como el nivel inviolado

El self cuántico es el que posee la verdadera libertad, la creatividad, la no-localidad, todo el poder de curación y acción. La verdadera maya es la separatibilidad, el hecho de sentirnos separados de todo.  El self separado no tiene libre arbitrio. Lo que llamamos libre albedrío no es más que una obediencia ciega a nuestro cassete emocional que nos dicta lo que hacer y cómo reaccionar sin opción a cambiar, a nos ser que cambiemos el cassete con una nueva programación. Todo es Dios. Todo es consciencia. Nada más existe. Los físicos explican fenómenos, pero la conciencia no es un fenómeno porque los fenómenos son un producto de la conciencia. La conciencia se siente, no se define. La ciencia no puede definir la conciencia. La ciencia define la ciencia. La fragmentación y separación del ego vuelve a ser unidad en nuestro ser interior donde vivenciamos todo.
Nosotros somos el mundo y por tanto comenzamos a asumir responsabilidad sobre él, a comprender mi relación con las otras personas. Pensar en una sola lengua o cultura no es lo mejor, es negar el valor de la diversidad para demostrar las dimensiones múltiples de la conciencia. Es la mejor forma de llegar a la paz. También es necesario abandonar la jerarquias lineales. Las jeraquias están desmoronando en todo el mundo y no son esenciales  indispensables ni universales. Una jerarquia entrelazada es la unidad en la diversidad, al contrario de la jerarquia lienal simple. La guerra del Bhagavad Gita, en la que Arjona no queria luchar como guerrero porque iban a morir muchas personas, es una guerra interna. Krisna lo estimula a luchar. Arjona dice que no quiere matar su propia gente. La persona que se decide a seguir el camino espiritual mata el ego y debe dejar de lado a sus pariente y amgos. Krisna le dice que tiene que cambiar su paradigma, que use su imaginación para luchar en el conflicto que lo paraliza. Crisis es a la vez peligro y oportunidad. Somos guerreros. Somos el mundo y está en guerra. Hay guerras y participamos en ellas. La paz comienza con el reconocimiento de que hay un conflicto. No se llega al amor reprimiento el odio sino tomando conciencia del problema. La búsqueda de alegría comienza con el reconocimiento de que hay tristeza.

Esta es la primera vez en la historia en que podemos abordar el crecimiento personal interior no a penas como una obediencia a la autoridad religiosa o porque estamos huyendo del sufrimiento, sino porque un volumen coherente y creciente de conocimientos y datos dan respaldo a tal dirección del crecimiento. En la nueva ciencia, que infunde en nosotros una nueva visión del mundo, recorremos la ciencia y la religión y pedimos a los practicantes de ambos que se unan a nosotros como investigadores y co-promotores de un nuevo orden.
Nuestra consciencia no-local nos permite saltar fuera del sistema y crear nuevos conceptos. El computador no puede saltar fuera del sistema. La creatividad es un modo no-local de conocimiento. Dos científicos pueden descubrir lo mismo al mismo tiempo sin conocerse. El computador es información, la conciencia es comunicación(la modalidad cuántica es comunicación).No se sabe en la creación dónde termina la información y comienza la comunicación. (Por eso es un juego entrelazado).  No sabemos dónde termina la transpiración y comienza la inspiración(juego entrelazado).

En toda creatividad hay tres pasos:

1-Recoger información

2-Proceso creativo, comunicar la idea creativa

3-Manifestación

No se da en esa forma ordenada. Los pasos sólo son encuentros jerárquicos entrelazados de un encuentro del self clásico(ego) y modalidades cuánticas.

Cinco pasos en la creatividad:

1-Mente abierta

2Persistencia

3-Nuevo estímulo(leer sobre una nueva idea)

4-superposiciones coherentes que no han sufrido colapso.

5-Mente maestra

Legar a las más simples de las verdades requiere

-Años de contemplación
-Ninguna actividad
-Ningún raciocinio
-Ningún cálculo
-Ninguna ansiedad
-Ninguna lectura
-Ninguna conversación

SÓLO MANTENER SIMPLEMENTE EN LA MENTE AQUELLO QUE SE PRECISA SABER (Enfoque)

Self clásico: transpiración, voluntad, persisencia, información.
Self cuántico: inspiración, comunicación.

La experiencia creativa es una de las pocas ocasiones en que experimentamos directamente la modalidad cuántica.

El Univeso no está muerto porque nosotros no estamos muertos.
No hay camino, hay percepción, meditación.
La conciecia es el Uno sin segundo.

La meditación nos hace atentos y desapegados. En la meditación aprendemos a dar atención, ser desapegados y volvernos testigos de nuestros pensamientos, a contemplar la realidad.  Podemos poner atención en la llama de una vela, en la respiración, en un mantra: esto es meditación de concentración.. En la meditación de percepción, observamos nuestros pensamientos en general, sin fijarnos en ninguno en particular: esto nos permite una visión desapegada y objetiva de nuestros padrones de pensamiento y nos permite transcender.
Aprender a transcender es aprender a vivir cuánticamente. Meditando nos convertimos en observadores desligados y testigos de nuestros padrones de pensamiento.
La meditación nos lleva al cuarto estado de conciencia.
Los estímulos condicionados(casset mental) se reducen casi un 100% con la meditación.
La meditación quiebra el monopolio de respuestas como: "puedo", "no puedo". En ese intervalo nace la respuesta creativa, o la opción de "puedo", "no puedo".. eL cambio radical ocurre cuando la respuesta es creativa. Se consigue con práctica perssitente e intensa de la meditación. Creencias mantenidad, pero no practicadas, son inútiles.
Nosotros somos apegados a las cosas, no las cosas a nosotros.

"Mi vida es mi mensaje"(Gandhi). "Siga el camino que le señale el corazón". No cargue con las maletas de nadie, o descubrirá cómo será pesada su jornada espiritual.

El secreto de la eternidad es vivir el momento.. La meditación, un mantra, un mandala, nos pueden hacer vivir y comprender eso.(samadhi, satori, la conciencia total). Comunmente va acompañado de un sentimiento de intensa alegría.

Con la meditación podemos alcanzar el estado de observación perfecta. Una observación sin juicios.

El acto creativo es incompleto sin un producto(ación y disciplina).

En el "Banquete" de Platón los seres eran bisexuales(conjunto de dos brazos y dos piernas y dos órganos sexuales) Zeus los convirtió en dos: hombre y mujer. Desde entonces buscamos nuestra parte perdida, para volver a ser un todo.
Para el liberado, el mundo entero es la familia. A medida que el mundo se convierte en una familia, comenzamos a percibir la verdadera naturaleza de la consciencia inmanente. Vemos unidad, no diversidad. Amamos a las personas porque ellas existen. No precisamos ni queremos que ellas se  conformen a nuestros padrones y culturas particulares. En vez de eso, nosotros las respetamos y nos maravillamos con la extensión de la diversidad.

La ética cambia en la modalidad clasica-cuántica, donde "amor al prójimo como a nosostros mismos" tiene sentido, porque a nivel de consciencia somos lo mismo. Si estoy en un barco y se hunde, y mi compañero no sabe nadar, trataré de salvarlo, aunque sepa que yo podría salvarme solo.

Desgraciadamene la frase "ama a tu prójimo como a ti mismo" es inútil para la mayoría de nosotros como código de comportamiento, porque nosotros no nos amamos verdaderamente, y por lo tanto no sabemos lo que es amor.

Amar no es una cosa, es un acto del ser. En la meditación podemos llegar a sentir y comprender el verdader amor. El cielo está en esta vida, no es un lugar, es la experiencia de vivir una no-localidad cuántica.

Análogamente, evitar el imperativo ético implica perpetuar la existencia en el nivel del ego y condicionarnos a un infierno en vida.

Cuántos conflictos desaparecerían del mundo si nadie impusiese a otros una ideología. Predicar lo que no se practica es peligroso.

"Algún día, dice el filósofo jesuita Teilhard de Chardin, después de haber domnado los vientos, las ondas, los mares, la gravedad....dominaremos las ENERGÍAS DEL AMOR. Ese día por la segunda vez en la historia del mundo, el hombre descubrirá el fuego."

-------------------------------------------------------

                                                     


                                      
 

                                       CIENCIA Y ESPIRITUALIDAD


Recebi esse texto de um amigo e é a transcrição completa da entrevista
concedida pelo físico nuclear indiano Amit Goswami ao programa "Roda Viva"
da TV Cultura A entrevista está ótima!
Ele é um dos físicos que participa do filme "Quem somos nós".
São perguntas feitas por 7 pessoas muito bem conceituadas e conhecidas na mídia.
O texto é um pouco longo, mas vale a pena a leitura.

 Considerado um importante cientista da atualidade ele tem instigado os
meios acadêmicos com sua busca de uma ponte entre a ciência e a
espiritualidade.
 Amit Goswami vive nos Estados Unidos. É PHD em física quântica e
professor titular de física da Universidade de Oregon. Há mais de quinze
anos está envolvido em estudos que buscam construir o ponto de união entre
a física quântica e a espiritualidade. Já foi rotulado de místico, pela
comunidade científica, e acabou acalmando os críticos através de várias
 publicações técnicas a respeito de suas idéias. Em seu livro O UNIVERSO
AUTOCONSCIENTE - publicado no Brasil - ele procura demonstrar que o
Universo é matematicamente inconsistente sem a existência de um conjunto
superior - no caso, DEUS.
 E diz que, se esses estudos se desenvolverem, logo no início do terceiro
milênio Deus será objeto de ciência e não
 mais de religião.

 A bancada de entrevistadores é formada por:

- Mário Sérgio Cortella - filósofo e dir.em educação, prof. do Depto.
Teologia e ciências religião da Puc SP;
- Cláudio Renato Weber Abramo - jornalista e mestre em filosofia da
ciência;
- Pierre Weil - educador e reitor da Universidade Holísitica
Internacional de Brasília;
- Rose Marie Muraro- escritora e editora;
- Leonor Lia Beatriz Diskin Pawlowicz -jornalista e Pres.da Assoc. Palas
Athena;
- Joel Sales Giglio- psiquiatra, ex chefe do Depto.de Psic. Médica e
psquiatria da Unicamp, analista junguiano da Assoc. Junguiana do Brasil
e membro da International Assossiation for Analitical Psychology;
- Carlos Ziller Camenietzki -físico, dr. em filosofia e pesquisador do
Museu de Astronomia do Min. da Ciência e Tecnologia.

Entrevista:

 Heródoto Barbeiro:
- Dr. Amit Goswami, Boa Noite. Inicialmente eu gostaria que o senhor
dissesse aos telespectadores da TV Cultura, que ao
 longo do século XX os cientistas estiveram ligados muito mais ao
materialismo do que à religiosidade. A impressão que eu tenho é que nessa
virada para o século XXI, essas coisas estão mudando. O senhor poderia nos
explicar o porque dessa aproximação entre a ciência e a espiritualidade?

 Amit Goswami:
Com prazer. Esta mudança da ciência, de uma visão materialista para uma
visão espiritualista, foi quase totalmente devida ao
 advento da Física Quântica. Ao mesmo tempo, houve algumas mudanças em
Psicologia transpessoal, em Biologia evolucionista, e em medicina. Mas acho
que é correto dizer que a revolução que a Física Quântica causou na
Física, na virada do século, seria baseada nessas transições contínuas, não
apenas movimento contínuo, mas também descontínuo. Não localidade. Não
apenas transferência local de informações, mas transferência não-local de
informações. E, finalmente, o conceito de causalidade descendente.
 É um conceito interessante, pois os físicos sempre acreditaram que a
causalidade subia a partir da base: partículas elementares, átomos, para
moléculas, para células, para o cérebro. E o cérebro é tudo. O cérebro nos
dá consciência, inteligência, todas essas coisas. Mas descobrimos, na
Física Quântica que a consciência é necessária, o observador é
 necessário. É o observador que converte as ondas de possibilidades, os
objetos quânticos, em eventos e objetos reais. Essa idéia de que a
consciência é um produto do cérebro nos cria paradoxos. Em vez disso,
cresceu a idéia de que é a consciência que também é causal. Assim, cresceu
a idéia da causalidade descendente. Eu diria que a revolução que a Física
 Quântica trouxe, com três conceitos revolucionários, movimento
descontínuo, interconectividade não-localizada e, finalmente, somando-se
ao conceito de causalidade ascendente da ciência newtoniana normal, o
conceito de causalidade descendente, a consciência escolhendo entre as
possibilidades, o evento real. Esses são os três conceitos revolucionários.
 Então, se houver causalidade descendente, se pudermos identificar essa
causalidade descendente como algo que está acima da visão materialista do
mundo, então Deus tem um ponto de entrada. Agora sabemos como Deus, se
quiser, a consciência, interage com o mundo: através da escolha das
possibilidades quânticas.

 Rose Marie Muraro:
  O que mais me espanta na Física é o problema da medição quântica de
Heisemberg, que voce, realmente, acha que deve ter um observador olhando e
que modifica a realidade, por exemplo, transforma a onda em partícula. Eu
gostaria de saber... isso aí houve uma grande briga de Einstein com Niels
Bohr. Eu gostaria de saber, em escala cósmica, onde não há observadores, se
há um observador supremo, na sua opinião, e se ele cria matéria ou como se
faz esse fenômeno?

 Amit Goswami:
 Essa é a questão fundamental, Rose Marie, porque.. qual é o papel do
observador? É a pergunta que abre a integração entre Física e
espiritualidade. Na Física Quântica, por sete décadas, tentou-se negar o
observador. De alguma forma, achava-se que a Física deveria ser objetiva.
Se dessem um papel ao observador, a Física não seria mais objetiva. A
famosa disputa entre Böhr e Einstein, a que se refere essa disputa,
basicamente, sempre terminava com Bohr ganhando a discussão,
 mostrando que não há fenômeno no mundo a menos que ele seja
registrado.Bohr não usou a consciência.. mas atualmente, vem crescendo o
consenso, muito lentamente, de que a Física Quântica não está completa, a
menos que concordemos que nenhum fenômeno é um fenômeno, a menos que seja
registrado por um observador, na consciência de um observador. E isso se
tornou a base da nova ciência. É a ciência que, aos poucos, mas com
certeza, vem integrando os conceitos científicos e espirituais.

 Cláudio Abramo:
Em sua fala inicial, o senhor mencionou, deu como fato, que teria crescido
a idéia de que haveria uma causalidade no sentido
 inverso àqueles do tradicional que se considera, e daí saltou para a
afirmação de que isso abriria a porta para a entrada de Deus. A minha
pergunta se divide em duas. Em primeiro lugar, essa idéia cresceu aonde?
Quem, além do senhor, defende esse tipo de visão de mundo? E... dois, o
porque Deus entrou aí nessa equação?

 Amit Goswami:
Na Física Quântica há um movimento contínuo. A Física Quântica prevê isso.
Não há dúvida que a Matemática Quântica é muito capaz, muito competente, e
ela prevê o desenvolvimento de ondas de possibilidades, a matéria é
retratada como ondas de possibilidades. O modo como elas se espalham é
totalmente previsto pela Física Quântica. Mas agora temos probabilidades
de possibilidades. Nenhum evento real é previsto pela Física Quântica. Para
conectar a Física Quântica a observações reais, embora não vejamos
possibilidades e probabilidades, na verdade vemos realidades. Esse é o
problema das medições quânticas. E luta-se com esse problema há décadas,
como eu já disse, mas nenhuma solução materialista, uma solução mantida
dentro da primazia da matéria foi bem sucedida.
 Por outro lado, se considerarmos que é a consciência que escolhe entre as
possibilidades, teremos uma resposta, mas a resposta não é matemática.
Teremos de sair da matemática. Não existe Matemática Quântica para este
evento de mudança de possibilidades em eventos reais, que os físicos
chamam de "colapso da onda de possibilidade em realidade". É essa
 descontinuidade do colapso que nos obriga a buscar uma resposta fora da
>Física. O que é interessante é que se postularmos que a consciência, o
observador, causa o colapso da onda de possibilidades, escolhendo a
realidade que está ocorrendo, podemos fazer a pergunta: qual é a natureza
da consciência? E encontraremos uma resposta surpreendente. Essa
 consciência que escolhe e causa o colapso da onda de possibilidades não é
a consciência individual do observador. Em vez disso, é uma consciência
cósmica. O observador não causa o colapso em um estado de consciência
normal, mas em um estado de consciência anormal, no qual ele é parte da
consciência cósmica. Isso é muito interessante. O que é a consciência
 cósmica diante do conceito de Deus, do qual os místicos e teólogos falam?

 Mário Cortella:
Uma questão para o doutor Amit que é a seguinte: o senhor é originado de
uma cultura, que é a cultura da Índia, onde o
 hinduísmo, como religião, tem uma profusão de deuses ou de divindades, ou
de deidades. Alguns chegam a falar em 300 milhões de deidades dentro da
religião hindu. De outro lado, seu pai foi um guru brâmane, o senhor tem
um irmão que é filósofo. Esta mescla de situações induziu no senhor uma
compreensão em relação a um ponto de chegada, na religião, partindo da
Física, ou o senhor já partiu da religião e, por isso, chegou até a Física
e supõe que a Física Quântica é uma das formas de praticar teologia?

 Amit Goswami:
 Obrigado pela pergunta, porque costumam me perguntar se minha formação
como indiano hindu afeta o modo como pratico a Física. Na verdade, fui
materialista por um bom tempo. Fui físico materialista dos 14 anos de
idade até cerca de 45 anos. O materialismo foi importante para mim. Eu
trabalhei com ele, filosofei nele, cresci nele. Eu obtive sucesso em
Física dentro da Física materialista. Mas quando comecei a trabalhar no
problema da medição quântica, eu realmente tentei resolvê-lo
 dentro do materialismo. Enquanto todos nós trabalhávamos, falei com
muitos físicos que trabalhavam no problema (este é o problema mais
estudado da Física, um dos mais estudados). E todos tentávamos resolver
este paradoxo: se a consciência é um fenômeno cerebral, obedece à Física
Quântica, como a observação consciente de um evento pode causar o colapso
 da onda de possibilidades levando ao evento real que estamos vendo? A
consciência em si é uma possibilidade. Possibilidade não pode causar um
colapso na possibilidade. Assim, eu tive de abandonar esse pensamento
 materialista. Embora fosse interessante, em minha vida pessoal eu sentia
necessidade de mudar. Alguns consideraram uma transição de meia-idade, e os
dois problemas, crescimento na vida pessoal e o problema da medição
quântica, se onfundiram, e eu comecei a ver a consciência não apenas como
um problema físico, mas também como um problema pessoal. O que é que deixa
alguém feliz? Qual é a natureza da consciência, da qual as pessoas falam
quando se pensa além do materialismo? Então, comecei a meditar e a me
aproximar de alguns místicos, e isso ajudou. E um dia, quando falava com
um místico, e ele me dava a tradicional visão mística do mundo, que eu já
ouvira muitas vezes antes, mas, de algum modo, essa conversa causou uma
nova impressão em mim. Eu pude ver, eu realmente vi além do pensamento,
tive a percepção de que a consciência é a base do ser, e essa percepção
soluciona o problema da medição quântica. Não só isso: pode ser usada como
base para a ciência. Normalmente, os cientistas presumem que a ciência
deve ser objetiva, etc, mas eu vi, naquele momento, que a ciência deve ser
objetiva até um certo ponto. Eu chamo de objetividade fraca, mas isso pode
ser alcançado nessa nova Metafísica.Consciência é a base de todos os seres.
Então, para mim, foi o contrário, eu fui da Física para a espiritualidade,
sob o aspecto da Física. Porque minha formação espiritual, embora em
retrospecto, eu possa dizer que foi saudável, deve ter sido, como Freud
diria, no subconsciente. Mas conscientemente foi o oposto. Eu vim de uma
questão muito inquietante, de como resolver um problema físico, um problema
do mundo, pois esse é o
> problema mais importante do século XX. E a partir disso, esse salto
conceitual, esse salto quântico perceptivo me fez reconhecer que o modo
como espiritualistas vêem a consciência é o modo certo de ver a
consciência. E esse modo de ver a consciência resolve o problema da medição
quântica. Ele nos dá a base para uma nova ciência.

 Carlos Ziller:
Eu gostaria de fazer uma pergunta, dando um passo mais atrás no sentido da
própria Física clássica. Porque nós sabemos, hoje em dia, que os
fundadores da Física clássica, Newton, Déscartes e outros grandes
cientistas do século XVII, para eles, para os projetos científicos que
propunham, Deus era uma parte constitutiva inseparável do mundo que eles
imaginavam, seja como sendo quem garantia a eficácia, eficiência, o
funcionamento das leis do mundo, seja como alguém que operava
 os próprios fenômenos naturais. Bom, isso foi sendo afastado, expulso do
mundo da ciência ao longo do século XVIII, século XIX, ou século XX,
talvez, até os anos 50 tenha sido o ápice dessa questão, os cientistas, os
físicos, sobretudo, não gostavam totalmente nada de falar sobre esse
assunto. Deus era um problema. Talvez o seu estudo e a sua reflexão esteja
tentando recolocar no seu próprio lugar, pelo menos foi assim que eu
interpretei, algumas idéias do próprio século XVII, dos fundadores da
ciência moderna. Eu gostaria de saber se essa aproximação do Deus do
Newton, o que garantia que as leis naturais funcionavam, se esse Deus tem
algum paralelo com a consciência, supra-consciência que o senhor propõe
 como sendo o princípio a partir do qual os fenômenos do mundo, a
realidade estaria constituída?

Amit Goswami:
É uma pergunta muito boa. Os conceitos da Física clássica, no início, não
separavam Deus, como disse, mas então, aos
poucos, descobriu-se que Deus não era necessário. Depois que Deus
estabeleceu o movimento do mundo, ele passou a ser guardião de seu jardim,
e isso é o que a maioria dos físicos clássicos pode fazer. Mas na Física
Quântica, há o problema da medição. Como as possibilidades tornam-se
eventos reais, temos espaço para uma consciência, e ela deve ser uma
consciência cósmica. Há uma semelhança com o modo como Deus é retratado,
pelo menos na subespiritualidade tradicional, não na mente popular. A mente
popular considera Deus um imperador, um super-humano sentado no céu. Essa
 imagem de Deus não é científica, e espero que esteja claro que não estamos
falando em Deus dessa forma, mas Deus nessa consciência mais cósmica,
nessa forma mais estrutural. Esse tipo de Deus está retornando porque, se
voce se recorda, o debate entre teólogos e cientistas sempre foi: Deus é o
guardião ou Deus intervém? Teólogos afirmam que Deus intervém nos seres
biológicos. E então surgiu Darwin. Foi um grande golpe nos teólogos,
porque antes, apesar de Newton, os teólogos podiam citar o exemplo da
Biologia, cujo propósito é muito óbvio, pelo menos, óbvio para a maioria.
Mas a teoria de Darwin foi um golpe porque se dizia que a evolução
ocorria... mas ela era natural? Darwin disse que ela era natural.
 Oportunidade e necessidade. Não há necessidade de Deus na evolução e não
há necessidade de Deus na biologia. Então, no século XX, surgiu o
behaviorismo e a idéia de que temos livre-arbítrio subjetivo. Essa idéia
também foi superada, porque experimentos mostraram que somos muito
condicionados, não há livre-arbítrio. Contra tudo isso, vejam só, a Física
 Quântica também cresceu ao mesmo tempo que o behaviorismo, e a Física
Quântica tem uma coisa peculiar: o princípio da incerteza. O mundo não
está determinado como imaginamos. Deus não é o guardião. O princípio da
incerteza levou à onda de possibilidades, depois o colapso da onda de
possibilidades para a introdução da idéia do colapso da consciência.
 Paradoxalmente, fomos criados contra essa idéia, mas nos anos 90, eu,
Henry Stab, Fred Allan Wolf, Nick Herbert, todos mostramos que esse
paradoxo pode ser resolvido. Não há paradoxo se presumirmos que a
consciência que causa o colapso da onda de possibilidades em eventos reais
é uma consciência cósmica. E o evento do colapso em si nos dá a separação
matéria-objeto do mundo. Assim, não só resolvemos o problema da medição
quântica como também demos uma nova resposta de como a consciência de um
torna-se várias. Como ela se divide em matérias e objetos, para poder ver a
si
 mesma. E essa idéia de que o mundo é um jogo da consciência, um jogo de
Deus, que é uma idéia muito mística, voltou à tona. Então, podemos voltar à
biologia. Deus intervém na biologia? Deus intervém na vida das pessoas?
Essas perguntas continuam tendo respostas muito positivas. Vi, em um jornal
sobre Biologia evolucionista, que há muitos furos conhecidos
> na teoria darwiniana. Esses furos são chamados sinais de pontuação. A
teoria da evolução de Darwin explica alguns estágios homeostáticos da
evolução, ou seja, como as espécies adaptam-se a mudanças ambientais. Mas
não explica como uma espécie torna-se outra. Essa especiação, mudança de
uma espécie em outra, é uma nova mudança na evolução, não está na teoria de
Darwin. Experimentalmente, isso é demonstrado em lacunas de fósseis. Não
temos uma continuidade de fósseis mostrando como um réptil tornou-se um
pássaro. A idéia é que sejam sinais de pontuação, estágios muito rápidos de
evolução. Eu sugiro que isto seja um salto quântico, um salto quântico na
evolução. Nesse salto quântico, a consciência
interveio, não de um modo subjetivo, de um modo caprichoso, mas de um modo
muito objetivo.. muito objetivo, e essas idéias objetivas ficam claras com
o trabalho de Rupert Sheldrake e outros, o modo como isso pode ser
objetivo. Mas, sem dúvida alguma, há uma intervenção da causalidade
descendente. Não se pode explicar a Biologia evolucionista só com a
 causalidade ascendente. Essa é a coisa mais interessante, a partir do
pensamento original dos físicos de que Deus deve ser o guardião, pois tudo
pode ser explicado e tudo é determinado, que não precisamos de Deus. Agora,
estamos fechando o círculo, e vemos que não só precisamos de Deus: há
movimentos descontínuos no mundo para os quais não existe explicação
 matemática ou lógica. Ainda assim, é totalmente objetivo, não é rbitrário.
Deus age de forma objetiva, bem definida. A consciência cósmica não é
subjetiva, não é a consciência individual que afeta o mundo. Isso ocorre de
forma cósmica, podemos discutir objetivamente. A ciência detém seu poder,
sua objetividade e, ainda assim, temos agora a descontinuidade,
 temos a interconectividade e podemos falar sobre vários assuntos dos quais
os místicos tradicionalmente falam.

 Pierre Weil:
 Durante essa discussão eu me coloquei como educador do ponto de vista do
telespectador, e estou um pouco com medo de que alguns já desligaram o
aparelho diante do alto nível científico do debate, que é necessário e
indispensável. Eu queria ressaltar a importância da sua presença aqui em
termos mais simples. Para o telespectador... tem telespectadores que
acreditam em Deus, acreditam em espiritualidade e tem outros que não
acreditam em Deus, não acreditam... são os materialistas versus os
espiritualistas. Entre os dois têm os que não sabem ou os que nem se
interessem para isto. Nestas três categorias, a sua presença aqui tem uma
importância muito grande. Ela tem uma importância porque nesse século que
passou, nós estivemos assistindo a três grandes movimentos: o primeiro
movimento, em que muitos espiritualistas, muitas
 pessoas que acreditavam em Deus, abalados pelas "provas", pelas evidências
da ciência, largaram a religião e só acreditaram na matéria. E nisso foram
até muitos sacerdotes de várias religiões. Largaram a batina, largaram a
sua fé e se transformaram em protagonistas do materialismo. Estamos
assistindo, atualmente, a um movimento contrário. Eu tenho, por exemplo,
dois amigos meus. Um, Matew, grande biólogo francês, largou a biologia e
hoje ele é monge budista tibetano. O outro era astrofísico, colega seu,
largou a astrofísica e hoje ele é rabino. Então estamos assistindo a um
movimento contrário. A sua presença aqui apresenta uma terceira saída, e
que me parece a mais conveniente e a mais razoável, a mais holística,
 que é a minha também. A sua, como Física Quântica, fez com que, vindo do
materialismo, não caísse no extremo do espiritualismo, mas integrou os
dois. Eu fiz isso também como psicólogo, através da psicologia
transpessoal... o senhor através da Física Quântica, eu, através da
Psicologia Transpessoal... e nos encontramos muito bem e nos abraçamos o
> tempo todo. A minha pergunta é uma pergunta pessoal: poderia contar para
os telespectadores, em termos mais simples, o que fez com que Amit Goswami
ficasse no meio do caminho e fizessem encontro dentro dele, da razão
 da Física, da razão materialista, e do outro lado, da Intuição? Falou nos
seus amigos místicos, mas pela minha experiência eu sei que a segurança
pela qual eu falo, não é apenas racional, ela é baseada numa experiência
chamada interior, chamada subjetiva, chame como quiser, de luz, e de
saber mais ou menos como que é esse mundo espiritual. Qual é a sua
experiência que fez com que unisse, na sua pessoa, o lado masculino,
racional, e o lado feminino, intuitivo, sentimental? O que aconteceu com a
sua pessoa? Eu acho que isso nos vai reconciliar com os telespectadores.

 Amit Goswami:
 Sim, obrigado. Esta é a questão fundamental. Às vezes, eu digo que todos
nós, todas as pessoas, espectadores, cientistas, o
> orador, todos aqui, todos nós temos dois lados. Um é semelhante a Newton,
que quer entender tudo em termos de objetividades, ciências e matemática,
e o outro é William Blake, que é místico e ouve diretamente,
intuitivamente, e desenvolve seu retrato do mundo baseado nessa percepção
intuitiva. O que ocorre nessa integração, o que ocorreu por um tempo,mesmo
antes de essa integração começar, é que começamos a entender a natureza da
criatividade. E a falsa idéia de que cientistas só trabalham com idéias
racionais e matemáticas, está, aos poucos, caindo. Einstein disse isso
muito claramente: "Não descobri a Teoria da Relatividade apenas com o
pensamento racional". As pessoas não levam a sério tais declarações.
 Mas Einstein falou sério. Ele sabia que a criatividade era importante.
Agora, quase cem anos de pesquisas sobre criatividade estão mostrando que
os cientistas também dependem da intuição. Eles também dependem de visões
criativas para desenvolver sua ciência. Nem tudo é racional, matemático;
nem tudo é pensamento racional. Voce perguntou sobre minha
> experiência pessoal. Eu já compartilhei a experiência fundamental pessoal
que tive quando troquei... nem devo dizer que troquei, eu tive uma
percepção. Não posso descrevê-la em termos de espaço-tempo. Eu estava fora
do espaço-tempo, experimentando diretamente a consciência como a base do
ser. É esse tipo de experiência que dá a base para ficarmos
 convencidos, para termos certeza de que a realidade é algo mais do que o
espaço-tempo no mundo em movimento faz parecer. Este é o escopo fundamental
para o ponto de encontro dos cientistas e espiritualistas. Porque os
espiritualistas ouviram esse chamado, essa intuição, muito antes. Os
cientistas também a ouviram. Mas por eles sempre expressarem suas
percepções em termos de lógica, em termos de razão, isso ocorre mais
tarde. Eles esquecem a origem de seu trabalho, a origem de sua percepção.
Já para os espiritualistas, a percepção leva à transformação do modo de
vida. Assim,
 eles nunca esquecem que foi a intuição que trouxe a felicidade, foi ela
que os fez quem são. Essa é a diferença. Cientistas usam a intuição para
desenvolver sistemas que estão fora deles, o que chamo de criatividade
externa. E isso torna-se uma camuflagem dos verdadeiros mecanismos do
mundo para eles. Enquanto espiritualistas mantêm-se com a percepção,
 mudam suas vidas, e incidentalmente, mudam o mundo externo. Mas eles
sabem que aquela percepção que tiveram é a coisa fundamental que gere o
mundo. Para eles, a consciência é cósmica, isto é algo determinado. Para
os cientistas, a mesma descoberta é possível, mas eles ignoram o chamado e
prestam mais atenção ao que ocorre no cenário externo. Acho que, se todos
nós compartilharmos isso, o mundo poderá mudar. Agradeço pela pergunta.
Estou disposto a compartilhar: escrevi um livro sobre criatividade, no
qual conto minhas histórias pessoais. Em todos os meus livros conto
minhas histórias pessoais. É importante compartilharmos nossas histórias
pessoais, e acabar com o mito de que os cientistas são apenas
 pensadores racionais. Eles também têm percepções que vão muito além do
pensamento racional.

> Heródoto Barbeiro: Doutor Goswami, o senhor falou muito em Deus durante
> a primeira parte deste programa, e aqui no ocidente, quando se fala em
> Deus, se imagina que exista o seu contraponto. E aqui no ocidente se dá
> uma série de nomes a ele. Eu gostaria de saber como é que o senhor
> explica essa... se o senhor concebe a existência desse contraponto,
dessas
> outras forças que não são necessariamente Deus.
>
> Amit Goswami: Essa questão de Deus contra o Mal é interessante. Segundo
> a visão da Física Quântica, existem as forças da criatividade e as
> forças do condicionamento. Não falamos muito sobre isso, mas eu defendo a
> idéia que a Física Quântica nos dá, de que é a consciência cósmica que
> escolhe entre as possibilidades para trazer à realidade o evento real
> que ocorre. A questão é: então temos de entrar nesse estado incomum de
> consciência, no qual somos cósmicos, no qual escolhemos e, então... como
> entrar nessa consciência individual na qual somos uma pessoa? Na qual
> temos personalidade e caráter? Ao trabalharmos com a matemática disso,
> descobrimos que essa condição ocorre porque todas as nossas experiências
> aparecem após serem refletidas no espelho da nossa memória, muitas
> vezes. É essa memória que causa o condicionamento. Uma propensão a agir
do
> modo como já agi antes. Uma propensão para responder a estímulos do
> modo como já respondi antes. Todas as pessoas sabem disso. Elas passam a
> manhã no cabeleireiro e o marido volta para casa e diz: "O que há para o
> almoço?", sem notar o novo penteado da esposa, o que é muito irritante,
> tenho certeza. Mas esse condicionamento é o que nos torna indivíduos.
> Então, a questão é que, na Física Quântica, vemos claramente o papel da
> consciência cósmica, que eu chamo de "ser quântico", no qual há
> criatividade, há forças criativas. E então perdemos essa criatividade,
> ficamos
> condicionados. E o condicionamento nos faz parecidos com máquinas.
> Assim, o mal maior que a nova ciência nos traz é o condicionamento. Pois
é
> ele que nos faz esquecer a divindade que temos, o poder criativo que
> temos, a força criativa que realmente representa o que buscamos quando
> invocamos Deus. Mas isso também está incompleto. Essa questão pode ser
> estudada mais a fundo e há um escopo maior, trazendo idéias como emoções
> negativas e positivas. Assim, teremos uma exposição maior do Bem contra
> o Mal. Mas, de fato, a consciência cósmica inclui tudo. Esse é o
> conceito esotérico, não tanto exotérico, mas esotérico, por trás de todas
as
> religiões, de que há apenas Deus, e que o Bem e o Mal são uma divisão,
> uma necessidade da criação, mas não é fundamental, ou seja, o diabo não
> é igual a Deus; o diabo é uma criação subsequente. É útil pensarmos em
> termos de Bem e Mal mas, às vezes, é preciso transcender isso, é
> preciso perceber que Deus é tudo. Esse é o cenário que a Física Quântica
> defende.
>
> Joel Giglio: Doutro Amit, eu sou psiquiatra, analista Junguiano,
> formado pela Associação Junguiana do Brasil, e tenho muitas perguntas a
> fazer
> ao senhor. Mas em vista do tempo e dos objetivos desse programa, vou me
> centrar numa delas. Eu pensei muito, quando li seu livro, em questões
> que ainda são incógnitas à nossa prática psicoterápica. A questão do
> 'insight'... O 'insight' nós não sabemos, em psicoterapia, quando ele vai
> acontecer, como vai acontecer. Ele simplesmente aparece e quase que do
> nada, embora a gente intua que o 'insight' vá aparecer. A questão da
> criatividade... a questão da sincronicidade... mas eu gostaria de fazer
> uma questão sobre os arquétipos. O senhor menciona no seu livro, idéias
> de arquétipos de objetos mentais. Cita Platão e cita Jung, que é o
> criador da psicologia analítica, setor da psicologia onde eu me situo. A
> questão que tem me perturbado muito é: os arquétipos evoluem, embora eles
> estejam fora do eixo espaço-tempo? Alguns autores dizem que está
> havendo uma evolução dos arquétipos. Quem fala isso, por exemplo, é
> Sheldrake, que o senhor mencionou há pouco e que não é psicólogo, é
biólogo,
> mas
> que tem uma visão diferente dentro do campo da biologia. Como é que a
> teoria da Física Quântica explicaria, supondo que os arquétipos evoluem,
> a evolução dos próprios pensamentos arquetípicos, por exemplo, a
> evolução do arquétipo de Deus, se é que ele está evoluindo ou não. Essa
> questão... e muitos outros arquétipos, nós supomos que estejam evoluindo
sem
> anularem os arquétipos anteriores.
>
> Amit Goswami: Obrigado pela pergunta. Sou um grande seguidor de Jung.
> Acho que Jung foi dos precursores da integração que está ocorrendo
> agora. Nos meus primeiros textos, eu citava muito a afirmação de Jung de
> que, um dia, a Física Nuclear e a Psicologia se unirão. E acho que Jung
> ficaria satisfeito com esta conversa e, em geral, com a integração da
> Física e da Psicologia transpessoal que vemos hoje. Isto posto, acredito
> no conceito de arquétipo de Jung, e acho que o modo como Jung o
> apresentou, e Platão o apresentou, de que são aspectos eternos da
> consciência,
> contextos eternos da consciência... a consciência tem um corpo
> contextual no qual os arquétipos são definidos e, então, eles governam o
> movimento do nosso pensamento. Acho que é um conceito muito poderoso.
Mas,
> ao
> mesmo tempo, na Física Quântica, existe a idéia de que todos os corpos
> de consciência, tudo o que pertence à consciência, inconsciência, são
> possibilidades. E por causa disso, por tudo ser possibilidade, surge a
> questão: alguém pode ir além de arquétipos fixos e considerar arquétipos
> evolucionistas? Não se pode descartar o que Rupert tenta dizer. Houve
> uma idéia semelhante, de Brian Josephson, um físico que publicou um
> trabalho na Physical Review Letters, revista de grande prestígio, dizendo
> que as leis da Física podem estar evoluindo. Da mesma forma, outras
> pessoas, cientistas muito sérios, sugeriram que, talvez, forças
> gravitacionais mudem com o tempo. Essa idéia de arquétipos fixos é uma
idéia
> muito
> importante. Eu a apóio totalmente. Mas também vejo que na Física
> Quântica há espaço para a evolução dos arquétipos. Não devemos descartar
> totalmente idéias que dizem que arquétipos evoluíram. Ainda seremos
capazes
> de determinar isso experimentalmente. Obrigado pela pergunta.
>
> Lia Diskin: O senhor manifesta certo interesse pelas questões éticas,
> grande parte do final de sua obra se dedica a essa questão. O senhor nos
> disse que há necessidade da participação da ambiguidade para dar
> garantias de criatividade no campo ético. Entretanto, no mesmo contexto,
nos
> fala imediatamente das linhas e instruções éticas numa obra monumental
> da tradição indiana que se chama "Bhagavad Gitâ". E a "Bhagavad Gitâ"
> se inicia pelo pressuposto da instrução do mestre para um discípulo, de
> que ele deve agir, de que ele deve entrar no combate, que ele deve
> assumir sua parte de ação, porque pertence a uma casta, a uma tradição de
> guerreiros, em que há ação da própria. Como fica o livre-arbítrio, como
> fica a ambiguidade como necessidade da criatividade dentro de um
> contexto de que existe um pressuposto, obviamente não-ambíguo e
> não-escolhível, que não pôde escolher? O que fazer... mas se está
cominado
a
> fazer,
> está cominado a agir? Como será isso, Professor?
>
> Amit Goswami: Acho que essa também é uma pergunta muito difícil, muito
> sutil. Realmente, se considerarmos a ética compulsória, não parece
> haver escolha. Mas a ética não é tão definida: é muito ambígua. Lembro de
> uma história que o grande filósofo Jean-Paul Sartre contava. Suponha que
> voce vá em uma expedição de natação, ou melhor, de barco, e o barco
> afunde. Voce está com um amigo, voce sabe nadar, mas ele não. Mas voce
não
> é muito forte. Se tentar salvá-lo, os dois podem morrer. Voce tem uma
> boa chance de se salvar, mas ama seu amigo e seu dever ético com ele
> está muito claro. O que fazer? Casos assim mostram claramente que há
> ambiguidade mesmo em decisões éticas, em decisões morais. Na Física
> Quântica, é muito claro que devemos esperar, e esperar pela intuição, ver
se
> há
> um salto quântico, uma resposta criativa como voce a chama, se uma
> resposta criativa irá surgir. E é essa resposta criativa que é a resposta
> correta para solucionar essa ambigüidade em questões éticas. Quando a
> moralidade ou a ética são apresentadas como um conjunto de regras, e as
> pessoas seguem essas regras, elas perdem essa parte ambígua e, por causa
> disso, as regras perdem o sentido. Passa a ser um conjunto de regras
> inútil, sem vida. Mas, se considerarmos a ética com vida, e reconhecermos
> que temos um papel a desempenhar em todas as situações éticas, temos um
> papel a desempenhar em termos de irmos para dentro de nós, como as
> pessoas criativas fazem, combatendo isso, combatendo a ambiguidade.
Então,
> o salto quântico da percepção virá e vai-nos permitir tomar a ação
> correta. É nisso que a Física Quântica está nos ajudando, é nessa
conclusão
> que ela está nos ajudando. E acho que Sartre também buscava essa
> resposta porque a ética fixa é uma coisa impossível de se seguir.
>
> Cláudio Abramo: Eu vou, infelizmente, ter que me estender ligeiramente
> na minha pergunta. Ela é precedida de uma declaração... Vou fazer uma
> interpretação do que foi declarado até agora, que eu acho que deve ser
> útil para os telespectadores. Não estou fazendo isso para me expor, mas
> para esclarecer o que me parece ser algumas questões importantes nesse
> debate para o telespectador. O entrevistado faz menção a fenômenos
> inexplicados, a fenômenos desviantes, entre diversas disciplinas. Começa
> com a Física, passa pela Biologia, faz referência a problemas seculares
> com respeito à consciência humana, ao livre-arbítrio, ao modo como
> raciocinamos, ao modo como chegamos a conclusões, menciona casos como,
por
> exemplo, Einstein declarando, como tantos outros cientistas, que não
> sabe muito bem como chegou a uma conclusão. Poincaré, antes dele, havia
> escrito muito sobre isso... Poincaré era uma matemático, o último grande
> matemático universalista francês... ele morreu no começo desse século
> (XX). Bom, esse tipo de anedota é completamente comum na ciência. Não há
> nenhuma originalidade nisso. Esse gênero de anedota, repito, fenômenos
> inexplicados que são característicos da ciência... a ciência quanto
> mais sabe, menos sabe... quanto mais a ciência sabe, quanto mais
fenômenos
> são explicados, mais avenidas de desconhecimento se abrem. Um cientista
> diz "não sei" o tempo todo. Um não-cientista explica tudo, porque
> sempre tem uma resposta do tipo "todo abrangente" como é esta resposta. O
> fato de se ter isso, para os telespectadores entenderem, o fato de se
> formular uma pseudo-explicação a respeito de como o universo funciona não
> dá a essa explicação, foros de verdade. Simplesmente declarar coisas
> não confere verdade ao que se declara. Agora, no que o senhor declara
> existe uma característica que eu acho bastante preocupante, ou pelo menos
> intrigante, vinda de alguém conhecido aqui como Físico, como o senhor
> declarou... o senhor foi.. o senhor foi Físico. O senhor diz, em
> primeiro lugar, que aquilo que seria essa intervenção de uma consciência
> cósmica, não é matematizável, quer dizer, isto não é introdutível dentro
da
> teoria física na forma como a teoria física aceita as suas idéias. Não
> existe outra maneira de introduzir na Física idéias senão a matemática.
> Não existe.. não é possível, não é Física... se é não-matematizável,
> não é Física. Muito bem, então esta idéia de consciência cósmica não é
> Física, quer dizer, certamente nenhum Físico aceitará isso. Em segundo
> lugar, ela também, já que se está falando de alguma coisa que existe no
> mundo, que é uma consciência cósmica que se reflete na consciência das
> pessoas e faz as pessoas fazerem saltos quânticos... o senhor não vai
> usar esse termo, mas saltos quânticos em direção à solução de
> problemas... onde é que estão as evidências empíricas disso? Onde estão
as
> experiências que levam a esse tipo de conclusão? Porque ou a gente pode
ter
> conhecimento do mundo que seja muito estruturado, como no caso da Física,
> ou conhecimento do mundo pouco estruturado. Não existe uma teoria, não
> existe um conjunto de idéias muito organizado por trás, mas sabemos
> empiricamente que são verdadeiras, ou parecem verdadeiras. Onde é que
> estão as evidências empíricas e onde está o raciocínio, eu diria,
desculpe
> a palavra, científico, que o leva a declarar que existiria uma
> consciência cósmica que estaria governando tudo e resolvendo todos os
> problemas
> aqui, da Biologia, da Psicologia?... O senhor afirma que estas suas
> idéias explicariam o problema da biologia evolucionista dos 'gaps' na
> criação de espécies, por exemplo. O senhor não acha ambicioso demais e,
> repito, onde é que estão as evidências empíricas disso?
>
> Amit Goswami: Boa pergunta. Pergunta muito boa. Precisamos sempre fazer
> esta pergunta: onde está a evidência? Falarei da evidência mais tarde.
> Antes, responderei à pergunta: a Física é matemática? Ela deve ser
> totalmente matemática? Essa é uma crença que cresceu gradualmente na
> Física, por causa do sucesso da matemática para expressar a Física. Há
duas
> coisas que devemos lembrar. Primeiro: não há motivo para a Física ser
> matemática. Às vezes os filósofos levantam essa questão. Nancy Cartwright
> escreveu um livro: Why do laws of Physics lie. Ela estava argumentando
> que não há provas dentro da filosofia materialista de que a Matemática
> deve governar as leis da Física. De onde vem a Matemática? Pessoas como
> Richard Feynman, grande físico, Eugene Bigner, todos estudaram a
> questão. E não há resposta dentro da filosofia materialista. Platão tem
uma
> resposta: a matemática molda a Física porque surgiu antes da Física, faz
> parte do mundo arquetípico que discutimos. Assim, o idealismo de Platão
> é fundamental para entender o papel da Matemática na Física, em
> primeiro lugar. A Física em si precisa de algo além da matéria, ou seja,
da
> matemática e de arquétipos para ser uma ciência consistente. É preciso se
> lembrar disso. O segundo aspecto da questão é o mais importante. Na
> Física Quântica, procuramos insistentemente uma forma matemática de
> encerrar a Mecânica Quântica. Uma forma matemática para entender a
medição
> quântica. Não fomos capazes. Niels Bohr demonstrou para Erwin
> Schrödinger, há muito tempo, quando a Mecânica Quântica estava sendo
> desenvolvida.
> Schrödinger achou que tinha obtido a continuidade e Bohr provou o
> contrário e o convenceu disso. E Schrödinger disse: "Se eu soubesse que
essa
> descontinuidade, saltos quânticos, iriam permanecer, eu nunca teria
> descoberto a Mecânica Quântica". Bohr disse: "Estamos felizes que tenha
> descoberto". Essas descontinuidades vão continuar existindo, não há
> explicação matemática, e por não haver explicação matemática, portanto,

> espaço para o livre-arbítrio. O livre-arbítrio, Deus, consciência,
> colapso, tudo isso entrou para a Física porque atingimos o conhecimento,
a
> sabedoria, de que existe o princípio da incerteza, existem a
> probabilidade e possibilidades. E por existirem probabilidade e
> possibilidades,
> deve haver um agente que causa o colapso das possibilidades em eventos
> reais. E esse agente não pode ser matemático porque, se for, não poderá
> haver livre-arbítrio: seria determinista. Mas não é determinista. O
> princípio da incerteza é fundamental. Assim, nós chegamos à conclusão,
após
> décadas de lutas nós conseguimos...
>
> Cláudio Abramo: Quem é "nós"?
>
> Amit Goswami: "Nós" quer dizer que há um consenso entre cientistas...
>
> Cláudio Abramo: Há um consenso a respeito de suas idéias?
>
> Amit Goswami: Não a respeito de minhas idéias. Esqueça as minhas
> idéias. Mas há um consenso de que não há solução matemática para o
problema
> da medição quântica. Nisso, chegamos a um consenso. E por não haver uma
> solução matemática para isso, e por haver uma solução consistente em
> termos de consciência causando colapso de possibilidades quânticas em
> realidade, podemos falar sobre essas idéias publicamente. Quanto à
segunda
> pergunta: Há evidência empírica? Acontece que os dois aspectos
> fundamentais da nova física, a consciência causa o colapso da
possibilidade
> em
> realidade, e o segundo, que essa consciência é uma consciência cósmica,
> os dois aspectos foram confirmados por dados empíricos. Antes, darei os
> dados para o segundo, porque é o mais simples para o espectador. O
> primeiro é um pouco difícil. Talvez possamos incluir os dois. O primeiro
> experimento é muito importante porque já foi aplicado. Em 1993 e 1994, o
> neurofisiologista mexicano Jacobo Greenberg Silberman, ele e seus
> colaboradores fizeram um experimento, no qual havia dois observadores
> meditando por 20 minutos, com o propósito de terem comunicação direta.
> Comunicação direta no estilo de não-localidade. Sinais não-locais
ocorrendo
> entre eles, e ainda assim eles teriam comunicação. Certo, eles meditaram
> juntos. Pediu-se que mantivessem o estado meditativo durante o resto do
> experimento. Mas então, um deles é levado para outro recinto. Eles
> ficam em câmaras de Faraday, onde não é possível a comunicação
> eletromagnética. Os cérebros deles são monitorados. Uma das pessoas vê
uma
> série de
> 'flashes' brilhantes, o cérebro dele responde com atividade elétrica,
> obtém-se o potencial de resposta muito claro, picos muito claros, fases
> muito claras. O cérebro da outra pessoa mostra atividade, a partir da
> qual obtém-se um potencial de transferência que é muito semelhante em
> força e 70% idêntico em fases ao potencial de resposta da primeira
> pessoa. O mais interessante é que, se voce pegar duas outras pessoas,
duas
> pessoas que não meditaram juntas, ou pessoas que não tinham a intenção de
> se comunicar, para elas, não há potencial de transferência. Mas para
> pessoas que meditam juntas, invariavelmente, muitas vezes, um em cada
> quatro casos, obtemos o fenômeno de potencial de transferência. E Peter
> Fenwick, na Inglaterra, há dois anos, confirmou isso, repetindo o
> experimento. Assim, temos evidência empírica. Se tivéssemos tempo, e voce
> tivesse paciência, eu poderia lhe dar inúmeros dados. Outro dado que é
> muito interessante: considere o caso de geradores de números aleatórios.
> Eles são realmente aparelhos quânticos, pois eles pegam eventos
> radiativos, que são aleatórios, e os convertem em seqüências de números,
> seqüências de zeros e uns. Em uma longa cadeia, deve haver número igual
de
> zeros e uns. É o que se espera da sequência aleatória. Helmut Schmidt, um
> físico que pesquisa parapsicologia, tenta há quase 20 anos, fazer com
> que médiuns influenciem os geradores de números aleatórios para gerarem
> sequências não-aleatórias, mais zeros que uns. E ao longo dos anos ele
> conseguiu boas evidências de que, até certo ponto, os médiuns conseguem
> fazer isso. Um resultado com um grande desvio. Isso ainda não tem nada
> a ver com Física Quântica, mas recentemente, em um trabalho publicado
> em 1993, Schmidt retratou uma modificação revolucionária desses dados. O
> que ele fez, recentemente, é que o gerador de números aleatórios, os
> dados do gerador de números, a sequência, é armazenada num computador,
> ela é impressa, mas ninguém olha. Os dados impressos são fechados num
> envelope e enviados para um observador independente. Três meses depois, o
> observador, sem abrir o envelope, escolhe o que quer ver, mais zeros ou
> mais uns. Tudo segue um critério. Então ele liga para o pesquisador, o
> pesquisador diz ao médium para olhar os dados, e pede a ele para mudar
> os resultados, influenciá-los, se puder. E o médium tenta produzir mais
> zeros, se esse for o desejo do observador. E então, o observador abre o
> envelope e verifica se o médium conseguiu. E a incrível conclusão é (é
> um resultado sério, não é fácil contestá-lo) que o médium, em 4 de cada
> 5 tentativas, consegue mudar os números aleatórios gerados pelo
> aparelho, mesmo após três meses. Este mito de que o pensamento causa o
> colapso
> de si mesmo, que o colapso é objetivo, sem que o observador consciente
> as veja, é apenas um mito. Nada acontece, tudo é uma possibilidade até
> que o observador consciente veja. Numa experiência controlada, as
> pessoas intervieram. As pessoas viram, sem contar a ninguém, viram os
dados,
> a impressão. Nesses casos, o médium não influenciou os dados. Está
> claro que a consciência exerce um efeito, exatamente como Bohr
suspeitava,
> como Newman suspeitava. Agora estamos fazendo teorias mais completas e
> experimentos mais completos baseados nessas teorias. Henry Stab
> colaborou com todas essas idéias que apresentei, consciência causando o
> colapso de funções quânticas em eventos reais. Ele participou do
experimento
> com Schmidt. Então, estamos vendo uma mudança revolucionária na Física,
> não menos revolucionária do que a acontecida com Copérnico. Claro que
> haverá reações, como a que apresentou, e temos de ser muito pacientes,
> calmos, e trabalharmos juntos para superar essas tendências contrárias.
> Mas temos a certeza de que existe algo que todos devemos olhar. Isso é
> revolucionário, é novo e pode mudar, como já discutimos, as
> dificuldades com valores que a sociedade vem enfrentando. Não vamos nos
> preocupar
> em como pode ser, mas vamos olhar os dados, olhar a teoria e perguntar:
> pode ser? Se pode, que oportunidade fantástica temos para integrar
> todos esses movimentos díspares de consciência que nos separaram por
tanto
> tempo.
>
> Heródoto Barbeiro: Ele é autor também do livro "O universo
> autoconsciente -Como a consciência cria o mundo material". Dr. Goswami,
> dentro
> dessas explicações que o senhor nos deu até agora, como fica a questão da
> reencarnação e da preservação dessa consciência dos seres humanos?
>
> Amit Goswami: A questão da reencarnação, provavelmente, é a pergunta
> mais radical que pode ser feita. E é impressionante que a Física Quântica
> nos permita dar uma resposta afirmativa. Eu mesmo fiquei tão surpreso
> quanto qualquer um, com isto.. No início, quando me perguntavam isso, eu
> me recusava a discutir. Mas então, eu acordei de um sonho, e,
> basicamente, o sonho me dizia... eu ouvi isso no sonho: "O Livro Tibetano
> dos
> Mortos está certo e seu trabalho é provar". Após acordar desse sonho, eu
> passei a encarar reencarnação com seriedade. Basicamente, o problema
> com a reencarnação é este: o corpo físico morre, e o que resta? Se a
> consciência é a base do ser, vem a idéia de que o que resta é a
> consciência. É a primeira pista. A segunda pista é que tudo é
possibilidade,
> no
> modo quântico de ver as coisas. Então, não é irrelevante dizer que as
> possibilidades podem viver. Algumas possibilidades morrem com o corpo
> material e o cérebro, mas pode haver outras possibilidades, outras
> possibilidades que se modificam ao longo da nossa vida, e essas
modificações
> das probabilidades das possibilidades podem formar uma confluência que
> possa viver mais tarde na vida de outra pessoa. É essa idéia que pude
> desenvolver de forma mais completa, num livro que será lançado no ano que
> vem, e fico feliz em dizer que podemos lidar com essa questão. A
> vantagem de se fazerem essas perguntas é que podemos ver imediatamente a
> utilidade das novas ciências que virão. Porque são essas coisas que
> preocupam as pessoas. As pessoas são fundamentalmente incomodadas por
> perguntas como "o que acontecerá quando eu morrer?". E se a nova Física
> puder
> responder essas perguntas, a despeito da importância da Psicologia
> transpessoal, e da Psicologia junguiana, em que a nova ciência ajuda, e
> também da medicina alternativa, que nem discutimos ainda, acho que
> tocaremos o coração das pessoas quando pudermos dizer: "Finalmente, a
> Ciência
> pode ajudar a entender essa pergunta". Até agora, apenas o padre, o
> teólogo pode dar qualquer resposta para a pessoa. E se pudermos dizer a
> ela: "Faz sentido fazer essa pergunta, e voce pode fazer algo para ajudar
> voce com o que acontecerá após a morte". Não seria um progresso
> maravilhoso na ciência?
>
> Joel Giglio: Professor Amit, eu vou fazer uma pergunta baseado no
> trabalho de um ex-orientando de tese de doutoramento que eu orientei na
> Universidade de Campinas, e que fez a primeira tese, pelo menos na
Unicamp,
> e talvez em qualquer universidade estadual ou federal do Brasil, sobre
> parapsicologia. Ele fez uma tese sobre clarividência e eu não vou,
> naturalmente, falar da metodologia do trabalho que seria bastante
extensa,
> mas resumir pelo menos os resultados principais. Várias pessoas, vários
> sujeitos tentavam adivinhar as cartas de um baralho de símbolos
> geométricos, baralho de Zener muito usado em pesquisa e parapsicologia, e
> tentava adivinhar as cartas de um baralho Tarô, que é baseado em imagens
> arquetípicas, o Rei, a Rainha, etc. Nos resultados que foram feitos
> seguindo uma metodologia tradicional, estatística, as pessoas acertaram,
no
> baralho de Zener, um pouquinho acima do que era esperado ao acaso e 10%
> acima no baralho de Tarô, comparando com o de Zener. A explicação dada
> pelo meu orientando foi dentro da teoria da Psicologia Analítica, em
> relação aos arquétipos emergentes que, de uma certa forma, estariam
> mobilizados mais no baralho de Tarô do que simplesmente no baralho de
> símbolos geométricos. Mas essa explicação, embora nos satisfaça um pouco,
> ainda deixa muito a desejar. Eu perguntaria se o senhor teria alguma
> explicação a mais baseada na Teoria Quântica sobre essa maior adivinhação
> das cartas do baralho do Tarô, que são símbolos arquetípicos em relação
> ao baralho comum de Zener , que são cinco símbolos geométricos,
> quadrado, cículo, etc.?
>
> Amit Goswami: Sim. Obrigado pela pergunta. Na verdade, somente no
> Brasil alguém pensaria em fazer um experimento tão brilhante. Tenho
visitado
> o Brasil nos últimos 5 anos e o futuro parece promissor. Eu fico
> entusiasmado com a mente do brasileiro. Qual é a diferença entre o
> experimento original de adivinhação de cartas e as cartas de Tarô? A
idéia
> que
> proponho, acho que voce pensa da mesma forma, é que quando o objeto que
> usamos na telepatia é significativo, ele é um objeto melhor. Os
> cientistas, os parapsicólogos anteriores preocupavam-se demais com a
> objetividade e ignoravam esse aspecto. Agora, nos novos experimentos
> parapsicológicos, espero usarmos cada vez mais objetos significativos na
> transferência telepática. E voce tem razão, a explicação completa tem de
> usar a
> palavra "telepatia", tem de usar a transferência não-local de
> informações, neste caso, transferência não-local de informações
> significativas,
> arquetípicas. E esse é o motivo para os melhores resultados. Mas a
> não-localidade, a não-localidade quântica, tem de ser evocada para se ter
> uma explicação completa do que ocorreu. Obrigado.
>
> Mario Cortella: Doutor Amit, eu juntei algumas questões nisso que eu
> não vou tratar delas como perguntas, porque eu acho que na sua obra, pelo
> menos no que eu pude ler, há um aprofundamento disso e uma leitura mais
> detalhada ofereceria mais questões. Por exemplo, no campo da
> psicanálise essa idéia de que o universo é quando é percebido e até
> interferido,
> será que não seria uma postura um pouco ego-narcísica da nossa parte,
> um pouco antropocêntrica em relação ao próprio universo que dificulta a
> idéia de um cosmo, invertendo Dostoievsky. Dostoievsky disse que se
> Deus não existe, tudo é permitido. Nessa compreensão, parece que se Deus
> existe, aí é que tudo é permitido, porque existe aí uma probabilidade
> que pode ser interferida. E uma outra questão, que eu acho que está na
> sua obra mas acho que vale aprofundamento, é o ateísmo metodológico,
> sendo que foi tão caro para a ciência para poder buscar explicações, mas
> ele não é mais necessário. Mais aí a questão de fundo: eu tenho lido, não
> sei se é verdade, que a Física Quântica mostra que hoje o tempo é uma
> ilusão. Alguns têm dito que não se fala mais em universo, mas em
> multiverso, porque haveria vários universos paralelos. Isso traria um
> problema: a possibilidade de viajar no tempo. A maior explicação que
achei
> até
> hoje contra a viagem no tempo, foi do Físico inglês, Stephen Hawking,
> que usou um argumento lógico. Ele disse: "É impossível viajar no tempo
> porque se um dia for possível isso, os homens do futuro já teriam
> voltado". Mas a Física Quântica ao falar em universos paralelos levanta a
> possibilidade de se ter o tempo como uma mera ilusão humana. Isso me
> coloca a seguinte pergunta aí para o senhor: será que nós chegaremos, com
a
> Física Quântica, a voltar à origem do cosmos e, aí sim, encontrar o
> princípio explicativo?
>
> Amit Goswami: Bem, suas duas colocações são muito boas, e a pergunta é
> extremamente fascinante. A primeira coisa que quero dizer é que 'não
> dizemos que tudo é possível' apenas por termos incluído aí a consciência
> em nossas teorias, porque ainda estamos concordando totalmente com a
> Física Quântica que a causalidade ascendente molda a forma das
> possibilidades, a partir da qual a consciência escolhe. Tanto a
causalidade
> descendente, quanto a ascendente têm papel fundamental na nova Física, na
> nova Ciência. Essa é uma das virtudes que temos. A nova Ciência absorve a
> velha Ciência nos limites do princípio da correspondência, no limite de
> que poderíamos falar apenas em termos de probabilidades para um grande
> número de coisas e eventos. A velha Ciência não desaparece. Não
> poderia. É solidamente baseada em dados experimentais. A nova Ciência
> expande
> a velha Ciência em arenas com as quais a velha Ciência não pode lidar.
> Como eventos singulares de criação, criatividade. Esse é o primeiro
> ponto. Sobre voltar no tempo, há experimentos quânticos. O mais famoso é
o
> experimento de Le Choice, mas é muito longo para explicar, e muito
> complicado para os espectadores realmente apreciarem. Embora, se alguém
> estiver interessado nele, há livros sobre ele. Leiam, por favor, é
> fascinante. Há algo acontecendo. Essa idéia de voltar no tempo é real na
> Física Quântica. Podemos ser afetados por coisas no futuro, assim como
somos
> afetados por coisas no passado. Na Física Quântica, o tempo é
> não-linear. Isto posto, claro que experimentos recentes são tão
> impressionantes,
> tão surpreendentes, que muitos físicos convencionais, conservadores,
> procuram formas de viajar no tempo. Mas acho que o consenso é que a
> viagem no tempo envolve muito mais do que esta observação da Mecânica
> Quântica. Não podemos mais descartá-la, mas ela envolve muito mais pois
> ainda
> temos sérios problemas de como trazer os efeitos quânticos aos
> macrocorpos. Pois os efeitos quânticos são muito destacados apenas em
> objetos
> microscópicos, e não tão destacados em macro-objetos. A situação da
> medição é uma exceção. Mas normalmente descobrimos apenas raios 'laser',
> supercondutores, poucas coisas, poucos macro-objetos em que os efeitos
> quânticos persistem. Então temos de resolver esse problema de como
> macrocorpos podem ser transportados pelo tempo, e isso levará um tempo.
Se
a
> consciência voltar a essa equação, e ela precisa voltar, em algum
> ponto, então, outra dimensão de pensamento se abrirá e isso pode nos dar
> novas respostas, novas visões sobre isso. Mas é muito prematuro falar
> sobre isso, acho.
>
> Rose Marie: Eu sou muito interessada em história da tecnologia, porque
> eu acho que através da tecnologia é que os sistemas econômicos se
> desenvolvem, que cresce uma dominação de potências hegemônicas. Isso vai
> muito na linha da pergunta do Cláudio Abramo. Eu sei que o senhor está
> trabalhando na construção do primeiro computador quântico. Eu quero
> perguntar uma coisa: o computador quântico dá saltos quânticos, ele cria?
> Qual a diferença dele do computador determinístico?
>
> Amit Goswami: Essa é uma pergunta muito interessante. O que é um
> computador quântico? Um computador quântico em vez de usar um algoritmo
> específico, usa um algoritmo ambíguo. No computador quântico é usada a
> superposição de possibilidades e, dessa forma, espera-se que seja muito
mais
> rápido que o computador convencional. Desde que o computador quântico
> opere apenas nesse nível, eu não espero que ele seja uma novidade tão
> grande, a não ser o fato de ele ser mais rápido. É isso que interessa aos
> cientistas da computação. Mas eu tenho um interesse diferente nesse
> computador. Se o computador for construído, por ter um processador
> quântico, por processar superpondo possibilidades...
>
> Rose Marie: É tão realista.
>
> Amit Goswami: Isso mesmo. Assim como o ser humano faz. O cérebro
> humano, de forma semelhante, processa de forma quântica as
possibilidades,
> em
> vez de trabalhar diretamente, de maneira algoritmica, sem ambiguidade.
> Então, alguém pode fazer um computador que tenha todos os outros
> aspectos da medição quântica? A situação da medição quântica envolve um
> mecanismo que chamo de hierarquia embaraçada. É um pouco difícil de
> entender, mas um exemplo é a frase: "Eu sou mentiroso". Se pensar nela,
verá
> que a relação hierárquica entre sujeito e predicado é recíproca. "Eu"
> qualifica mentiroso, e vice-versa. Um qualifica o outro. É o que chamo de
> hierarquia embaraçada. A medição quântica no cérebro é assim. A questão
> intrigante para mim é que: suponha que no futuro encontremos um
> computador com hierarquia embaraçada. O interessante é que a hierarquia
> embaraçada dá margem à auto-referência. Então, este computador quântico
terá
> auto-referência? A consciência cooperará na criação de um aparelho
> feito por humanos, que não seguiu uma evolução, mas desenvolvido pela
> inteligência humana? A consciência cooperará? A consciência cósmica
> cooperará e o tornará um ser consciente? Eu não sei a resposta. Mas esta
> será
> uma verificação fundamental, uma das mais fantásticas, das idéias que
> discutimos hoje. Acho que essa pesquisa deve ser encorajada. Obrigado
> pela pergunta.
>
> Lia Diskin: Tentando fazer uma síntese dentro das idéias da biologia,
> dentro das idéias da psicologia e, logicamente, de toda a Física que o
> senhor coloca, o que hoje sabemos é que apenas 2% de nosso cérebro
> utiliza vias neuro-cerebrais para entrada e saída de informação. E é a
> partir disso, que nós construímos o que chamamos "os objetos ideais e
> universais" que constituem a ciência. 98% restante pertence a um universo
> interno, nebuloso, no qual existe a fantasia, a ilusão, logicamente a
> irracionalidade e também a probabilidade. Até que ponto podemos dizer que
é
> possível um verdadeiro diálogo com essa disparidade de porcentagens?
> Até que ponto podemos dizer que é possível uma cientificação das idéias,
> de Deus, ou das idéias internas, humanas, divinizadas, como queira
> chamá-las?
>
> Amit Goswami: Em outras palavras, deixe-me ver se entendi a pergunta,
> há muitas coisas que são fantasias e há muitas coisas que envolvem Deus.
> É possível transformar esses aspectos fantasiosos em científicos? É uma
> pergunta interessante. Claro, na criatividade, transformamos fantasias,
> transformamos algumas fantasias em algo científico. Porque algumas
> delas são fantasias criativas. Em outras palavras, a imaginação, a parte
> mental de nossas vidas, a parte interna de nossa vida, é fundamental no
> que fazemos no mundo externo. Na nova Ciência, por estarmos igualmente
> envolvidos com o mundo externo e o interno, pelo fato de a subjetividade
> ter voltado à ciência, estamos validando o conceito de que, talvez,
> devamos levar algumas de nossas fantasias a sério. Porque a idéia
> contrária também pode ser positiva, ou seja, de que tudo é uma fantasia.
> Fantasia da mente, fantasia da consciência. Porque a consciência é a base
do
> ser, e o que pensávamos ser material e real, e o que pensávamos ser
> fantasia e irreal, esta distinção não é muito clara, agora. São todas
> possibilidades da consciência. Portanto, é a consciência que as valida,
que
> escolhe entre elas, que lhes dá substancialidade. Então, qual delas
> será substancial depende totalmente da escolha, do contexto no qual a
> consciência as vê. Isso vai revolucionar a sociedade, como voce antecipou
> com sua pergunta. Em outras palavras, vamos levar nosso mundo interno
> muito mais a sério. Eu costumo dizer às pessoas que, se elas estudarem
> seus sonhos, o preconceito que costumamos ter é de que o sonho não é
> contínuo, portanto, de que adianta estudá-los? Há evidências de que os
> sonhos são contínuos, mas é preciso olhá-los sob o ponto de vista
> significativo. Alguns ficariam felizes com essa descoberta científica, de
> que os
> sonhos dão um relatório sobre a parte significativa das nossas vidas.
> Então, há outros aspectos da vida com os quais a ciência materialista
> não pode lidar e com os quais podemos lidar agora por colocar a
> consciência de volta, por exemplo, o pensamento. E, quando fazemos isso,
> nossa
> vida interna adquire uma enorme importância. Sim, a vida interna lida
> com o pensamento, a beleza, os arquétipos, de uma forma diferente que a
> vida externa, materialista, pode. E, focalizando na vida interna, não só
> podemos nos transformar, essa é a parte mística, mas também podemos ter
> enormes visões sobre o que criar, como criar, sobre nossas artes, sobre
> nossa música, até sobre a ciência.
>
> Pierre Weil: Eu queria primeiro felicitar esse programa, Roda Viva,
> pelas iniciativas que está tomando. Eu quero dizer que é a primeira vez
> que eu vejo na televisão, problemas tratados no nível que merecem, na
> altitude que merecem, problemas como a parapsicologia, a psicologia
> transpessoal. Isso é feito graças a uma mudança de paradigma. E eu queria
> realçar de novo para o público telespectador que o que estamos tratando
> aqui tem uma influência muito grande sobre a destruição da vida no
> planeta e a grande crise de violência que está assolando atualmente o
mundo,
> não é só o Brasil. Eu queria, já que estamos no fim do programa, deixar
> a oportunidade a Amit Goswami, que nós convidamos na nossa Universidade
> da Paz em Brasília, justamente porque ele representa um novo paradigma,
> como que o antigo paradigma é responsável pela violência atual do
> mundo, antiga visão que está responsável pela destruição da vida no
planeta,
> e como o novo paradigma pode nos ajudar a nos tirar dessa crise, além
> de medidas policiais e de mudança de lei que são necessárias, mas são
> absolutamente insuficientes?
>
> Amit Goswami: Obrigado. Acho muito importante dizer que, sem reconhecer
> a consciência e sem reconhecer o valor da nossa vida interna, sem
> reconhecer o valor da transformação, nunca mudaremos a violência na
> sociedade. Então, é muito importante ver que apenas pensando em
> não-violência,
> apenas falando dela, não deixaremos a violência. É preciso passar por
> todo o processo criativo. A nova Ciência, o novo paradigma, é
> extremamente importante porque sempre enfatiza a criatividade. Na velha
> Ciência,
> o determinismo e behaviorismo, essa idéia de que o condicionamento
> prevalece, nos cegou tanto quanto à transformação, nos cegou tanto que
> desistimos. Basicamente, os valores não eram necessários. Steve Weinberg
> disse que não há significado no universo, não há valores se o consenso é
> o julgamento dos cientistas materialistas, e isso ocorre dentro da
> sociedade, e o behaviorismo diz: "Não podemos fazer nada. Somos seres
> comportamentais, somos condicionados". E a nova Ciência diz: "Não. Também

> forças criativas dentro de nós. Basta aprender a agir a partir desse
> estado de consciência não-ordinário no qual voce tem escolhas". E o meu
> novo lema, em vez do cartesiano "eu penso, logo existo", e pensamento é
> uma condição behaviorista, meu novo lema é: "escolho, logo existo". Se
> é "escolho, logo existo", posso escolher a não-violência. Mas tenho de
> aprender como escolher, e isso exige criatividade. Essa é, realmente...
> a nova confiança do novo paradigma: em vez de escolher a metade
> condicionada do mundo, vamos dividir o mundo em condicionamento e
> criatividade. Forças do Bem e do Mal, das quais falamos antes. Podemos
ser
> muito
> otimistas. Se essa mudança para o novo paradigma vier logo, talvez
> possamos realmente lidar com a violência de uma forma realmente prática,
em
> vez de apenas verbalmente, como fazemos.
>
> Carlos Ziller: Quando eu estava fazendo a minha leitura dos seus
> trabalhos, percebi um sentimento que eu compartilho, de um incômodo
profundo
> com relação a algumas conclusões que emergem de determinados meios
> científicos. Vou dar só um exemplo, acho que o telespectador vai se
> lembrar, certamente. Há algum tempo atrás apareceu um resultado de um
> laboratório do EUA que falava da descoberta do gene da homossexualidade.
> Mais
> recentemente falou-se no gene da obesidade, e há toda uma série de
> conclusões desse tipo que não deixam de produzir, nos homens de bom
senso,
> uma certa surpresa, e, contudo, mesmo em homens que são materialistas e
> bem convencidos, que não aceitam, rejeitam esse determinismo radical
> que emerge de alguns ambientes científicos, sobretudo norte-americanos.
> Há um materialismo que convive muito bem com o livre-arbítrio. Há um
> realismo filosófico que convive muito bem, sem muito inconveniente, com
> paradoxos, com contradições. Isso não é, digamos, o todo, do que se
> poderia chamar de "atividade científica". Por fim, eu gostaria de fazer
uma
> pergunta, e é a questão mais importante que eu teria a colocar, que
> emerge também de uma sensação que eu tive ao ler "O universo
> auto-consciente". Eu tive a sensação de retornar ao passado, aí sim uma
> viagem ao
> passado. Eu vi ali, arrumados, organizados de uma forma muito particular
> por voce, idéias e proposições que eu já havia conhecido em leituras,
> por exemplo, da obra do cardeal Nicolau de Cusa , grande pensador do
> século XV, que propôs que o universo era resultado de uma contração de
> Deus, e essa contração, enfim, não é o caso aqui de eu explanar essa
> filosofia. Mas esse tipo de pensamento, produziu, interagiu com
concepções
> científicas do século XVI, do século XVII, com concepções que propunham
> que a divindade organizasse, ou enfim, propunha uma visão bastante
> parecida com essa, um projeto científico bastante parecido com esse que
> voce está propondo nesse seu livro. A humanidade passou por um processo
> muito longo, muito duro, para conseguir, digamos, não eliminar Deus da
> Ciência, mas pelo menos reduzir um pouco seu papel, esse processo foi
> longo e lento. Para concluir, como o senhor acredita poder convencer os
> cientistas desse seu projeto, depois de tanto esforço para conseguir
> criar uma noção de objetividade, de realidade, de realismo, com todos os
> exageros em alguns momentos, mas convencer esses homens depois de tanto
> esforço? O senhor imagina conseguir isso usando que gênero de recursos?
>
> Amit Goswami: Eu acredito que as idéias se verificarão por si mesmas,
> serão confirmadas nos laboratórios e serão úteis. A ciência tem dois
> critérios fundamentais. Por isso Galileu é chamado de pai da ciência
> moderna, pois ele enunciou claramente esses dois critérios. Um é que a
> ciência deve ser verificável. Ela deve ser verificada experimentalmente.
E
a
> segunda idéia é que a ciência deve ser útil. No aspecto da verificação,
> já apresentei alguns experimentos a voces, pois o tempo é curto, não
> entrarei em outros experimentos, mas digo que há um número enorme de
> experimentos sendo realizados, graças à Parapsicologia e interessados em
> Parapsicologia. Mas também em Biologia, e a Medicina é uma grande área de
> verificação experimental de algumas de nossas idéias. Mas a questão da
> utilidade é a mais importante. Deepak Chopra ficou famoso por um livro
> que escreveu, chamado Cura Quântica, lançado há 10 anos. Ele começou a
> revolucionar a Medicina, de certa forma, pois há um fenômeno chamado
> "efeito placebo" para o qual os cientistas não têm explicação. E esse
> trabalho, que é muito semelhante à minha forma de pensar, e eu tenho lido
> trabalhos citando a conexão entre as nossas idéias... Mas veja as
> implicações disso. Se, de fato, houver cura quântica, se houver Medicina
> mental, o efeito da mente sobre a cura, então as pessoas serão de fato
> ajudadas, não apenas no campo da Psicologia, mas no campo da verdadeira
> saúde física. A saúde física real, que importa para muito mais pessoas do
> que a saúde mental, ainda não estamos esclarecidos o bastante para
> levar a saúde mental tão a sério. Mas todos se preocupam com a saúde
> física, levam muito a sério. É a aplicação da nova Ciência a essas áreas,
> especialmente na área da saúde, que vai trazer a revolução de que Deus é
> importante, a consciência é importante, a criatividade é importante,
> observar o livre-arbítrio e responsabilidade é importante, que temos um
> paradigma científico que pode unir todas essas coisas, trazê-las para
> junto da velha ciência e ter formas objetivas de proceder e prever. Será
> uma ciência previsível, poderá ser verificada e também será útil. Isso é
> o que mudará a percepção do público. A percepção dos cientistas,
> também. Obrigado.
>
> Heródoto Barbeiro: Doutor Goswami, muito obrigado por vir.
>
> Amit Goswami: Muito obrigado.

 

 
  [umfrage]  
Publicidad  
   
Hoy habia 15 visitantes (92 clics a subpáginas) ¡Aqui en esta página!
=> ¿Desea una página web gratis? Pues, haz clic aquí! <=